Sistema OCB Amapá orienta extrativistas do Bailique na constituição de uma cooperativa

Rios, estradas, municípios e até mesmo as comunidades mais longínquas. O cooperativismo tem chegado aos quatro cantos do Amapá. No último sábado, 14, o Sistema OCB/AP, representado pelo presidente Gilcimar Pureza, e o conselheiro Eddy Pacheco participaram do Encontro de Extrativistas, na Comunidade do Buritizal, que integra uma das 52 comunidades do Arquipélago do Bailique.

A agenda faz parte do Protocolo Comunitário que tem trabalhado junto com as comunidades a legislação e políticas públicas para o extrativismo e agricultura familiar; distribuição geográfica, mercado e preço do açaí, princípios do manejo florestal, equipamentos, insumos e segurança no trabalho, etapas do manejo de mínimo impacto e boas práticas de colheita e pós-colheita.

O Sistema OCB/AP integrou as discussões a convite do Grupo de Trabalho Amazônico (GTA), para orientar e ajudar os extrativistas no processo de concepção de uma cooperativa, os trâmites necessários e os pontos positivos da organização comercial e planejamento. A OCB também está articulando o selo FSC, para as cooperativas dos Consórcios de Produção de Alimentos.

“A ida ao Bailique foi extremamente positiva. O produtores são muito bem organizados e isso facilita todo o processo de criação de uma cooperativa. Mas, o trabalho vai além, pois a integração desses produtores ao nosso consórcio, contribuirá diretamente para a valorização do produto deles”, explicou Gilcimar Pureza.

Protocolo Comunitário do Bailique

O projeto do Protocolo Comunitário do Bailique é desenvolvido pela Embrapa Amapá e o GTA junto com a Associação das Comunidades Tradicionais do Bailique (ACTB), e tem como objetivo apoiar as comunidades nas ações de acesso às políticas públicas de desenvolvimento sustentável.

“O Bailique tornou-se um importante fornecedor de frutos de açaí para os mercados de Macapá e Belém, com um substancial aumento da renda daquela população ribeirinha. Quando iniciamos o trabalho lá, a produção era muito baixa, inclusive, em algumas comunidades não havia produção nem para o abastecimento local, hoje temos uma das melhores produções do Amapá”, compartilhou o presidente do GTA, Rubens Gomes.

A Embrapa faz análise das demandas e do potencial de cooperação com o GTA e instituições parceiras que atuam no Bailique, para firmar parcerias técnico-científicas. Várias tecnologias de melhoria de produção agropecuária são mapeadas para serem incluídas nos treinamentos técnicos, com destaque para manejo de camarão, manejo de açaizais nativos, técnicas de cultivo de peixes, manejo de regeneração do pau mulato, manejo de andirobeiras, cultivo de variedades de bananas resistentes a doenças.

“Estes trabalhos beneficiaram diretamente cerca de 300 produtores no Bailique. É gratificante vivenciar o grau de mobilização e interesse das comunidades em manejar seus recursos naturais, principal fonte de renda das famílias desta região”, destacou a pesquisadora da Embrapa Ana Euler.

A integração do Sistema OCB Amapá neste processo será fundamental na consolidação de todo o esforço desses extrativistas, garantindo que o produto deles chegue de forma valorizada ao mercado.

“Trabalho com açaí há mais de 20 anos, e sempre sonhei em constituir uma cooperativa e promover algo que pudesse organizar a nossa produção. Com a presença da OCB aqui, novos horizontes se abrirão a partir de agora”, agradeceu a extrativista da comunidade do Arraiol Sara Chaves.

About Lílian Guimarães

Assessoria de Comunicação OCB/AP Contato: 98124-9681

Comments are closed